Menu

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Papo com alguém: Psicologia

Oi meninas, bom, eu tô nessa de faculdade e planos para o futuro e sempre fui muito afim de fazer psicologia, mas conheço muitas meninas que trancaram por diversos motivos e imaginei que poderia ter outras pessoas com as mesmas dúvidas que eu, então resolvi convidar a Mariana Gil para participar do post de hoje e tirar minhas dúvidas. Continuem lendo :-)



Oi Mariana, tudo bom? É um prazer conversar com você.
Oi Sandy, tudo sim! O prazer é todo meu de conversar com você!

Bom, você me disse que está no segundo período de psicologia, certo?
Certo, estou terminando o segundo ano, loguinho estarei no terceiro haha.

Como você se sente? É um sonho realizado?
Nossa, eu me sinto nas nuvens! Sério! Com certeza é um sonho realizado, porque eu quis fazer psicologia desde a sétima série, decidi quando eu tinha 13 anos. Então praticamente eu sempre quis fazer... era um dos meus maiores sonhos mesmo: conseguir entrar pra faculdade de psicologia. E graças a Deus consegui! E assim, eu me sinto bem porque o curso não me decepcionou sabe, eu estou adorando, gosto muito mesmo do meu curso, tem hora que esqueço que é como uma escola, porque eu realmente tenho prazer por estar onde eu estou, por estudar o que eu estudo (claro que sempre tem uma ou outra matéria mais chatinha, isso não tem jeito hahaha).

Em algum momento você ficou desanimada, pensando em trancar e tentar outra coisa?
Então, eu fiquei beeem desanimada no segundo semestre do curso porque é o mais puxado de todos. Assim, todo mundo reclama desse semestre na minha faculdade, tem até fama de ser o semestre que expulsa as pessoas! Porque é bem difícil mesmo, mas assim, isso é uma coisa que eu falo para vocês, geralmente em psicologia o primeiro ano é mais chato mesmo. Porque você tem que ter umas matérias básicas né, geralmente neuroanatomia, estatística, história da psicologia, umas coisas assim... mas passa, juro! No segundo ano a coisa melhora 100%. Então foi só no segundo semestre do curso mesmo que eu desanimei, mas não cheguei a pensar em trancar realmente, porque eu sabia que ia melhorar e porque eu nunca tive um plano B! De verdade, se eu um dia resolver desistir da psico, vou acabar não fazendo nada porque essa é a única coisa que eu amo. Nunca consegui pensar em outra profissão que me agradasse tanto.

Eu conversei com uma menina faz um tempinho, ela também fez psicologia, mas trancou pois disse que ia muito além do que ela achava ser psicologia, e tinha muitas teorias doidas. O que você acha disso?
Olha, eu também acho que a psicologia foi muito além do que eu imaginava, e posso dizer isso também pelos meus colegas de classe. Mas no meu caso isso foi uma coisa boa. Eu descobri que a psico tem muuuitas áreas de atuação, longe de ser só aquela salinha fechada com duas ou mais pessoas conversando. Então assim, dá pra trabalhar com propaganda, com criminal, em empresas, em hospitais, escolas, até no trânsito e em ONGs! Então imaginem, pra conseguir dar conta de tudo isso o curso tem que ter muitas teorias diferentes mesmo. E não tem jeito, você tem que abrir a cabeça. Algumas teorias são doidas, como a de Freud, mas você é quem escolhe no fim do curso qual teoria você quer seguir (porque tem isso também, você escolhe de que modo trabalhar!!). Aí é simples, se você não gosta da teoria X, é só não usar... mas para quem está no curso, acho que vale a pena tentar se abrir um pouco mais e ver que mesmo nas teorias mais doidas dá pra encontrar um sentido, uma utilidade. Isso é uma coisa que eu adoro na psicologia também, a grande quantidade de formas diferentes com que você pode ver uma mesma coisa!

E sobre as meninas que pensam em ingressar nessa área só por gostar de aconselhar as pessoas? Isso é certo?
Olha, eu não julgo. Mas já adianto: uma das regras básicas do psicólogo é NÃO aconselhar! Hahahaha. Juro! Você tem que levar a própria pessoa a chegar nos resultados que ela quer, a decidir as coisas por si só... porque senão imagina, você dá o conselho para uma pessoa e aí ela faz o que você disse e isso acaba com a vida dela. Como é que ficaria o psicólogo? Então não dá para aconselhar. Para quem pensa em seguir essa profissão só por esse motivo, aconselho a pesquisarem um pouquinho mais e ver se se identificam com outros aspectos da psicologia também. Mas como eu disse no começo, eu não julgo, porque não dá para falar que você não pode escolher a psicologia se o seu interesse surgiu de gostar de aconselhar as pessoas. O meu interesse mesmo, lá pelos meus 13 anos, surgiu porque eu percebi que gostava de ouvir e aconselhar. Conforme eu fui pesquisando eu vi que não era bem aquilo, mas ainda assim era um pouco parecido, e resolvi manter minha opção. Então na verdade eu vou quebrar minha regra e dar um conselho: se você gosta de aconselhar as pessoas e pensa em seguir a psicologia por conta disso, pesquise mais! Quem sabe você não se interessa pela psicologia como ela realmente é?

Se você não fizesse psicologia, em que você apostaria?
Essa é a pergunta mais difícil de responder, eu acho! Assim, interessante como a psicologia eu não acho nenhuma outra! Eu amo mesmo o que eu faço, tanto que quando fui prestar o vestibular, prestei psicologia em todas as faculdades, mesmo sendo muito concorrido em algumas, porque eu não tinha coragem de prestar outra coisa menos concorrida e abrir mão do meu sonho. Mas se eu fosse obrigada a escolher outra profissão, provavelmente eu optaria por algo relacionado à marketing, ou terapia ocupacional, ou organizadora profissional hahaha (sou virginiana, gente!).

Que mensagem você deixaria para as meninas que, assim como eu, querem fazer psicologia, mas tem medo de se arrepender?
Ai gente, eu sou muito suspeita pra falar algo assim! Mas falando sério, acho que o principal é pesquisar bem sobre a profissão e estar certa de que se interessou sobre o que leu/ouviu por aí. Depois que você decidir, aí não tem jeito, tem que torcer pra gostar! Escolher a profissão é uma fase de crise para todo mundo, é difícil mesmo, e envolve riscos, como o de odiar o curso que você achava que ia gostar tanto. Isso infelizmente acontece. Mas olha, eu não me arrependi nem um pouco e na minha sala não desistiu praticamente ninguém até agora, o pessoal geralmente curte. Mas pra você gostar, acho importante ir pro curso com a cabeça aberta, com vontade de ver as diferentes ideias, com vontade de aprender, de conhecer mais sobre o ser humano. É um curso que vai te fazer respeitar mais as diferenças, tentar entender melhor as pessoas, e principalmente, se sentir fazendo algo útil pela humanidade, ajudando pessoas! E se você odiar o curso no começo, dá uma olhadinha na grade curricular dos anos seguintes! Porque como eu disse, o começo é mais chatinho mesmo. De resto, segura na mão de Deus e vai! Hahaha. Espero que vocês que decidirem pela psico se apaixonem assim como eu me apaixonei!

Bom Mari, foi ótimo conversar com você, viu? Fico feliz em você ser topado em fazer essa pequena "entrevista". Muito sucesso aí nessa nova fornada da sua vida :-)
Ah linda, imagina! Foi ótimo responder essas perguntinhas, mesmo! Eu desejo muito sucesso a você também, Sandy, e a todo mundo que ler essa entrevista também! Espero que eu tenha instigado a vontade de fazer psico em algumas pessoas, que eu tenha respondido direitinho as perguntas, ou até mesmo feito alguém perceber que não é isso que quer pra vida, porque pelo menos eu ajudei alguém a se livrar de uma fria hahaha. E lembrem-se sempre que o nosso caminho somos nós quem fazemos! Beijos no coração! (Ah, e se alguém quiser tirar alguma dúvida a mais, pode mandar email pra marianagil8@homail.com).


O que vocês acharam? Muito simpática né? Espero que tenha tirado todas as dúvidas de vocês. Deixem nos comentários o assunto que vocês querem na próxima entrevista. Beijinhos e não esqueçam de seguir a Mari no Insta e o blog também. <3

2 comentários: